Portal Educação: Parceria que capacita!

Curso online de Educação Infantil (Teorias e práticas pedagógicas)

Calendário de Julho


Geometria para o 4º ano

Planificação de prismas e identificação de alguns de seus elementos: faces, vértices e arestas.






Para que a atividade seja melhor explorada, manusear modelos de prismas e pirâmides, identificando as faces, os vértices e as arestas.



Corpos redondos: cilindro, cone e esfera.



Observando as figuras, os alunos começam a distinguir suas características e reconhecer suas propriedades e seus elementos.
Nessas atividades de representação e reconhecimento de vista superior e frontal de um objeto, eles associam, por exemplo, as vistas com figuras planas.

Matemática e Literatura Infantil



O ensino da Matemática associado ao trabalho com a literatura infantil vem se apresentando como uma possibilidade bastante significativa no processo de ensino-aprendizagem nas séries iniciais. Muitas histórias infantis podem ser abordadas nas aulas de Matemática, permitindo a exploração de diferentes tipos de registros. Concomitantemente, essa abordagem possibilita uma relação com as aulas de Língua Portuguesa, permitindo que se desenvolva um trabalho interdisciplinar, uma vez que, nas séries iniciais, geralmente, um mesmo professor atende diferentes áreas do conhecimento.

Uma possibilidade é propor aos alunos que façam a leitura da história. Em seguida, propor-lhes que contem a história (registro oral) e representem-na por meio de um desenho (registro pictórico). Nesse desenho, de modo geral, os alunos costumam representar os elementos que mais lhe chamam a atenção na história. Pode-se, na sequência, propor problematizações sobre a história. A solução das problematizações pode ser evidenciada nos registros orais, pictóricos ou escritos, associadas a representações numéricas e espaciais.


Exemplos de como a Literatura Infantil pode ajudar os alunos a resolver problemas e a perceber que há vários caminhos para chegar a um resultado correto.

Os problemas da família Gorgonzola


Toda família tem seus problemas, mas essa família...
“Os problemas da família Gorgonzola” é um livro interativo, cheio de desafios e muito, muito divertido.

Eva Furnari foi, mais uma vez, genial ao escrever esse livro, pois ensina e estimula o raciocínio, mostrando que brincando também é possível aprender Matemática.

A família Gorgonzola é formada por 5 membros, Seu Oto, Dona Bárbara, os três filhos: Garrancho, Picles e Grudi, seus parentes e bichos de estimação muito estranhos.

Ah! O livro também traz um teste para saber que tipo de cérebro tem dentro da nossa cabeça.

Um ótimo livro para fazer quem não gosta de Matemática mudar de ideia!


Clique no link abaixo e veja uma sugestão de projeto sobre o livro de Eva Furnari:


Você já conhece a história "As Centopeias e seus Sapatinhos", de Milton Camargo, Editora Ática, 2004?




Sugestões:

Link da história contada e ilustrada:

Livro - slideshare



Assim que terminar de contar a história, proponha aos seus alunos que:

a)     conversem sobre a história.

O que pode ser observado e avaliado: o entendimento sobre o enredo da história, a apropriação do vocabulário matemático (primeiro, maior/menor ...)

b)     desenhem a história ou os aspectos de que mais gostaram ou chamaram atenção.

O que pode ser observado e avaliado: a noção de proporcionalidade nas diferenças de tamanhos entre os elementos desenhados, a representação do espaço e a localização dos elementos da história nesse espaço, as diferentes representações da história criadas entre os alunos.

c)     resolvam problemas matemáticos, como por exemplo, os seguintes:
- como vocês fariam para descobrir a quantidade de sapatinhos que a Centopeinha precisava?
- supondo que a Centopeinha tenha trinta pezinhos, quantas caixas de sapatos Dona Joaninha teve que trazer?

Os alunos podem chegar ao resultado do número de caixas de sapatinhos da centopéia-filha utilizando-se da contagem do número total de caixas contendo os pares (dois a dois). Outros observarão que como são 30 pés, basta se calcular a metade para achar o

número de caixas, o que significa, neste caso, a sinalização da compreensão e utilização de processos multiplicativos e de divisibilidade.

O que pode ser observado e avaliado: a compreensão do problema, os caminhos utilizados para contar a quantidade de sapatinhos, a utilização da linguagem matemática, como por exemplo, o aparecimento de notações numéricas, símbolos matemáticos e algoritmos.

Algoritmo é um processo ou uma técnica de cálculo. Por exemplo: algoritmo das quatro operações (adição, subtração, multiplicação e divisão); algoritmo para o cálculo do mínimo múltiplo comum; entre outros.

É interessante ir realizando anotações das observações e análises feitas em cada modalidade de registro como modo de documentar o processo de aprendizagem do aluno. Para isso, você pode arquivar registros coletados em relação a cada atividade e a cada aluno.

a)   Observe os exemplos de registros desenvolvidos pelas crianças sobre a história da Centopeia. Indique outros aspectos que podem ser considerados na avaliação, além dos já citados anteriormente.

b) Liste, no mínimo, três histórias infantis que permitam explorar conhecimentos matemáticos. Identifique os conteúdos que podem ser explorados em cada história. Anote-os.

c)  Selecione uma das histórias. Elabore uma atividade de ensino para o tratamento da história escolhida. Aponte aspectos do conhecimento matemático que podem ser observados e avaliados em cada tipo de registro.




Fonte de pesquisa
Coleção Avaliação da Aprendizagem - Matemática
INFOP - Universidade Federal do Paraná